Saúde destaca que auriculoterapia alivia dores do corpo e da alma

05/07/2019

 

Tratamento faz parte das práticas integrativas e complementares oferecidas gratuitamente pelo Cremic, unidade da SES-GO

 

 

Inspirada na terapia milenar chinesa, a auriculoterapia tem sido importante aliada da medicina brasileira. Embora possa utilizar agulhas, não causa nenhum desconforto. Pelo contrário, alivia dores do corpo e da alma, sem efeito colateral nem dependência química. E está bem ao alcance de todos, gratuitamente, por meio do SUS, no Centro Estadual de Referência em Medicina Integrativa e Complementar (Cremic), da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO).

 

A auriculoterapia é baseada na análise da parte externa da orelha, que representa os órgãos do corpo humano. Após o diagnóstico – realizado por meio da anamnese (conversa com o paciente) e da análise visual e tátil –, o terapeuta aplica na orelha do paciente agulhas (na terapia francesa) ou sementes de mostarda e outros (na terapia chinesa). “Os efeitos são semelhantes para a saúde do paciente, equilibrando as energias e tratando as doenças”, garante Mara Rúbia Freitas Ferreira, diretora técnica do Cremic, sobre as duas técnicas.

 

O tratamento não tem contraindicações. “Do bebê ao idoso, todos podem se tratar”, confirma a enfermeira e acupuntirista Andréia Delfino dos Santos, ao destacar que a auriculoterapia é um dos ramos da acupuntura destinado ao tratamento das enfermidades físicas e mentais por meio de estímulos nos pontos nervosos da orelha. “Não há um perfil específico de paciente, pois a técnica pode atender diversas doenças”, acrescenta.

 

A terapia dura até dez sessões, sendo uma por semana. No modelo francês, ensina Andréia, as agulhas permanecem na orelha do paciente por 30 minutos, até serem retiradas pelo terapeuta; na chinesa, as sementes em adesivos podem permanecer os sete dias, e podem cair sozinhas ou tiradas pelo próprio usuário.

 

Ansiedade e depressão

 

Andréia esclarece que a terapia é recomendada para diversos males. “É uma terapia curativa e que também pode ser preventiva”, acrescenta, para ressaltar que a maior demanda é devida a problemas emocionais, como crises de ansiedade, estresse, depressão e outros – além dos quadros de dores. “Quase 90% (dos pacientes) se enquadram nesse tipo de queixa”, enumera.

 

É o caso Mara Rúbia da Silva. Encaminhada por um médico ao Cremic, há dois anos, ela encontrou na terapia um alívio para a ansiedade. “Faço de seis em seis meses”, conta a comerciante de 52 anos. “Minha respiração era muito acelerada e o coração batia em frequência muito maior”, revela, sem saudades do tempo em que utilizava ansiolítico para combater o transtorno. Segundo a comerciante, os efeitos da auriculoterapia foram imediatos. “Senti, na primeira vez, mais tranquilidade”, comemora Mara, que é adepta ainda do reiki, no Cremic.

 

A necessidade de combater a ansiedade também foi decisiva para a enfermeira Polyanna Alves dos Santos, 34, buscar apoio na auriculoterapia. Até porque o tratamento está muito próximo dela, que trabalha no setor administrativo do Cremic. “Depois que vim pra cá, passei a conhecer o dia a dia e ver a evolução dos pacientes; por isso, resolvi me tratar também”, conta. “Neste momento, estou fazendo (a terapia) porque minha mãe vai fazer uma cirurgia e estou muito ansiosa”, comentou.

 

Em meio à média mensal de 800 atendimentos apenas na auriculoterapia, Mara e Polyana são exemplos da confiança dos pacientes no tratamento, reforçada também pela enfermeira e acupuntirista, Andréia. “(A auriculoterapia) traz equilíbrio energético ao organismo”, resume, ao informar que, em geral, após as dez sessões, o paciente recebe alta. “Mas sempre que surge outro problema, os pacientes sempre voltam; às vezes, apenas em busca de prevenção”. A simplicidade e eficácia do tratamento e o ambiente do Cremic, onde uma gostosa serenidade paira no ar, pode explicar esse comportamento.

 

SAIBA MAIS

 

- Baseada nos preceitos da Medicina Tradicional Chinesa, a auriculoterapia surgiu com as pesquisas do médico francês Paul Nogier, no século 20. Ele sistematizou um mapa auricular semelhante a um feto invertido, a partir das respostas fisiológicas sistêmicas, ao estimular áreas da aurícula externa.

- O Centro Estadual de Referência em Medicina Integrativa e Complementar (Cremic) é o único centro multidisciplinar no País que realiza atendimento fitoterápico e homeopático pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Iniciou suas atividades em 1986, com o nome de Hospital de Medicina Alternativa, mudando de nome em 2015.

 

- Com 159 servidores (30 deles aplicam as terapias), o Cremic oferece 18 das 29 práticas da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. São elas, além da auriculoterapia: ayurveda, arteterapia, aromaterapia, cromoterapia, florais de Bach, quiropraxia, acupuntura com eletroestimulação, reflexologia, massagem terapêutica, moxabustão, ventosaterapia, reike, homeopatia, meditação, musicoterapia, fitoterapia e yoga.

 

- Dos 1,4 mil atendimentos médicos oferecidos a cerca de 11 mil pacientes mensais, a auriculoterapia responde por 800 pacientes.

- O perfil principal dos pacientes é mulher acima de 40 anos.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

O conteúdo do sdnews é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • Google+ - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

© 2017 "SDNEWS.COM.BR".  Liderança Bureal de Criação 'André Martins '